sexta-feira, março 20, 2009

E afinal, se calhar, também eu tenho amigos :)

Recebi o Testemunho. Entregue pelas mãos da Trama, pelos olhos de Catarina.
Primeiro livro à mão, pagina 161, 5ª frase (como um endereço ...)

"Decorreu ano após ano e Goldmundo parecia ter esquecido que outra coisa havia no mundo além da fome, do amor e da fuga silente e sinistra das estações; parecia ter mergulhado por completo no primitivo mundo materno dos instintos."
(Heman Hesse - Narciso e Goldmundo)

Segue para mãos, pfg, andré , Baeta e D. (se por acaso estiverem por aí...)

3 comentários:

António Baeta disse...

Eu sou muito teu amigo, querida amiga, mas detesto correntes, que é coisa perfeitanente dispensável e não se exige a amigos.
Não são só as coisas materiais que são dispensáveis; também as que dispendem energia não renovável e as nossas próprias energias, a despropósito.
Beijo.

Fatma disse...

E eu percebo muito bem.
Não se exige não, e nem foi esse o meu propósito. Eu própria nunca entrei em correntes deste ou de outro tipo. E curiosamente penso que a minha intenção não seria exactamente o acto de continuar a corrente mas de algum modo agradecer a atenção de quem me referiu, e que desencadeou este post. Acho que nenhum dos nomes que indiquei irá dispender energia na continuação :). Daquilo que conheço, quanto muito irão muito simplesmente continuar as suas leituras, sem dispersão de pensamentos ou de sentidos sem propósito. bjinh grande

andre disse...

Olá miga, pois eu tentei perceber que "tipo" de corrente era esta... porém, e como já disseste, eu não sou muito dado a "correntes". Apesar disso, fico contente com a tua lembrança, sinal da amizade que apesar de tudo sobrevive, seja através de recordações ou de momentos que passamos aqui.
Bjs grands