quinta-feira, outubro 12, 2006

Saudade de um quase nada

Quando o prazer sagrado se torna amor desprezado.
Quando o mar se esbate e a luz é mate.
Quando amantes apressados regressam dois a dois
E não existe ainda o depois,
Quando o cansaço repousa num beijo
E o medo se entorna no desejo,
Quando sorrisos se abrem em olhos sem cor
E a vida se sobrepõe ao pudor;
Tudo é mentira e tudo é verdade,
E sente-se na indiferença a saudade.



P.s.: A vossa atenção para "este lugar". A ler os links para mais informação. Eu subscrevo e agradeço a iniciativa.

2 comentários:

andremurta disse...

Simplesmente lindo. Adorei.
Beijos miga

RS disse...

Fatma,
Ainda estava a saborear as tuas palavras quando reparei no rodapé deste post. :)

Obrigado!
RS