domingo, março 26, 2006

Elementos do toque

O toque.
Um miraculoso ponto de pele que sucumbe leve noutra pele desprotegida, levando os dias de espera que nela se escondem despidos, e foge logo em seguida. Um segundo de aconchego quente que destrona a eternidade e reina na palma da mão. Um vento que brota e morre no mesmo instante na raiz da própria morte. Um país que invade os sonhos e os deixa perdidos no ar. Um suspirar fumegante de um silêncio sussurrado pelo balanço do chão, onde os passos cantam e a calçada teima em desfazer-se com o luar. Água que queima a sede. Terra que se evapora em calma tremida. Calor que transpira o olhar onde a alma tépida transparece vencida pela paixão.
O toque. Lágrima que escorre pela pele vazia, sacudindo célula a célula, a imensidão e a melancolia. Noite que se esquece de escurecer. Noite que se casa com o dia e detêm o entardecer. Tempo suspenso no amanhã que se esquece de pisar e confunde o pensamento. Palavras indecisas trocadas pela pele e tocadas pela vontade de amar. Silêncios amachucados pelo respirar dos dedos que se soltam descuidados, sem momento ou direcção.
Sobre este toque, o sabor a infinito, o perfume da ilusão, o gosto pelo desconhecido, e a pele da emoção.

1 comentário:

Antonio disse...

É sensual o toque da tua palavra e cada palavra traz consigo reminiscências de lugares, de experiências, de emoções, de vivências, de sedes de infinito.
Belo texto!